Não confundir a "beira da estrada" com a "estrada da Beira"

 

nicolas maduro webUm presidente da república, ou um qualquer político eleito, representa o povo dessa eleição. Em contraponto, eu, como cidadão, represento-me a mim próprio naquilo que é a minha propriedade privada. Não fui eleito para nenhum cargo oficial do Estado, mas em tudo o que diz respeito à minha propriedade privada, tenho todo o direito de representação. Por exemplo, em minha casa “mando” eu. Certo?

A Helena Damião não pensa assim. Para ela, é tão estranho que um presidente da república decrete o Natal em Novembro, como uma empresa privada anunciar o seu Natal privado no mesmo mês. Repare bem, o leitor:

Um cidadão qualquer, por mais absurdo que isto possa ser, pode decidir que o seu (dele) Natal é em Agosto. Mas isso não significa que o Natal de toda a sociedade seja em Agosto. Uma coisa diferente é um presidente da república decidir que todo o povo deve celebrar o Natal em Novembro, ou, como acontece na Bélgica, em que o Natal foi retirado da escola pública, ou seja, de todas as crianças.

Uma empresa — que tem um ou vários proprietários que são cidadãos — não vincula a sociedade inteira. Mas uma decisão do presidente da república, de certa forma, vincula toda a sociedade. E exactamente porque pessoas como a Helena Damião confundem uma coisa com outra é que temos o Estado a imiscuir-se cada vez mais na tradição e na esfera privada da sociedade.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Politicamente correcto com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s