A democracia está moribunda

A democracia em Portugal tem sobrevivido relativamente bem até à  entrada no Euro à  custa daquilo a que Tocqueville chamou de “contrapesos do liberalismo político”: 1/ o associativismo ou poderes intermediários (sindicatos, organizações da sociedade civil, partidos políticos, etc.); 2/ a divisão de poderes (Montesquieu);  3/ a liberdade de imprensa.

Sem estes três pilares do liberalismo político, a democracia conduz a um despotismo “suave” do Estado. Ora, em Portugal estes três “contrapesos do liberalismo político” estão ameaçados:

1/ Praticamente não existem, hoje e em Portugal, organizações da sociedade civil que, mais ou menos, não dependam do Estado. Por exemplo, os sindicatos estão a ser esvaziados de gente, ou então passam a ser tutelados pelo Estado. O leviatão que se prepara ainda é pior do que o Estado Novo.

2/ A entropia do sistema de justiça foi intencionalmente provocada pela classe política “democrática”, como o prova o protesto de uma certa classe política maçónica pela prisão de José Sócrates: a justiça portuguesa foi construída pela classe política “democrática” e maçónica para não funcionar em relação aos poderosos, por um lado, e por outro  lado retira ao povo em geral a possibilidade de acesso aos tribunais mediante uma justiça cara e demorada. Um pobre em tribunal é anedota. Portanto, não podemos falar em uma verdadeira separação de poderes em Portugal: o poder está na maçonaria irregular.

3/ Resta a liberdade de imprensa. A liberdade de imprensa depende da independência das organizações da sociedade civil em relação ao Estado, e da separação de poderes no Estado. Portanto, também a liberdade de imprensa está ameaçada.

O que está a “segurar as pontas” da pseudo-democracia portuguesa é a União Europeia, ou melhor dizendo, é a burocracia de Bruxelas e um certo “Poder anónimo”. Mas se a União Europeia espirra, Portugal apanha uma pneumonia grave. As coisas não estão bem na União Europeia:

“Europe is being swept by a wave of popular disenchantment and revolt against mainstream political parties and the European Union.

In 2007, a majority of Europeans – 52 per cent – trusted the EU. That trust has now fallen to 35 per cent.”

How the European dream is dying, state by state

Em suma: ou a democracia se regenera, a maçonaria é afastada da política sem representação legítima, a partidocracia é colocada seriamente em causa, a justiça é radicalmente reformada, o sistema eleitoral profundamente repensado — ou então o regime actual não dura mais de dez anos. Se você não acredita nisto, ria-se e chame-me de “louco”; os idiotas riem-se sempre da realidade; e “o louco é aquele que perdeu tudo excepto a razão” (G. K. Chesterton).

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Política, Portugal com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s