A consciência moderna do Frei Bento Domingues

 

O Frei Bento Domingues continua a misturar religião com política partidária. Convém recordar o Frei Bento Domingues do seguinte:

“Nem a religião teve origem na urgência de assegurar a solidariedade social, nem as catedrais foram construídas para fomentar o turismo”.

— Nicolás Gómez Dávila

Como sabe quem por aqui anda, eu fui um acérrimo crítico de certas práticas políticas de Passos Coelho (por exemplo: “não sejam piegas!”), mas nunca misturei a religião com a minha crítica política.

Diz o Frei Bento Domingues que “as primeiras gerações de comunidades cristãs desenvolveram-se nos tecidos urbanos”.

Há aqui uma incompletude de raciocínio. As primeiras gerações de comunidades cristãs desenvolveram-se nos tecidos urbanos porque era nas cidades que estavam as elites. O Cristianismo impôs-se através das elites. De nada valem os “tecidos urbanos” se tivermos as elites que temos, e das quais faz parte o Frei Bento Domingues.

“Quando a consciência moderna suspende as suas rotinas económicas, oscila somente entre a angústia política e a obsessão sexual”.

— Nicolás Gómez Dávila

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Igreja Católica com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s