Abortar um nascituro de cinco meses é monstruoso

 

Uma menina de 12 anos está grávida de 5 meses, por violação do padrasto. Este é um exemplo daqueles casos extremos que os apaniguados da extensão do prazo para abortar invocam para justificar o aborto até aos 9 meses de gravidez.

A lei deve ser revista de forma a que violadores de criança sejam afastados da sociedade durante pelo menos uma década. Um crime de violação de uma criança deve ser equiparado a um homicídio voluntário.

Mas seja qual for a decisão — abortar ou não — a criança sairá sempre traumatizada da situação. Sendo que o nascituro já tem 5 meses de gestação, o trauma do aborto afectará certamente a menina-mãe, e retirará a vida a um novo ser humano já quase formado. A não ser que a vida da menina esteja em causa (sem dúvida nenhuma, e “política à parte!”), um aborto aos 5 meses de gestação é monstruoso.

Ao nascer, a criança deve ser adoptada.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Ética com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s