A ambiguidade do "papa Francisco"

 

Não devemos confundir ambiguidade, por um lado, com ambivalência, por outro lado. É certo que o “papa Francisco” não é ambivalente, mas sem dúvida alguma que é ambíguo. O “papa Francisco” sabe bem o que quer — a destruição da Igreja Católica através de uma nova heresia a que podemos chamar de Bergoglismo —, e por isso não é ambivalente.

Ao longo da sua história, mas principalmente nos primeiros 500 anos da sua existência, a Igreja Católica foi sujeita a vários tipos de heresia, por exemplo, a heresia sabeliana, o arianismo, pelagianismo, gnosticismo, simonismo ou simonia, donatismo, maniqueísmo, nestorianismo, monofisitismo, e o aftartodocetismo. O Bergoglismo é uma síntese moderna e ponderada de todas essas heresias.

Um católico não pode nem deve obedecer a este papa. A ambiguidade dele é semelhante à ambiguidade melíflua da serpente do Génesis. Não é uma ambivalência, porque ele sabe bem das valências das suas heresias: é uma ambiguidade diabólica que pretende sintetizar todas as heresias em uma só, e em nome de Jesus Cristo.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Igreja Católica com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s