Caro concidadão: não peça factura; está a ser enganado!

 

Fernando Pessoa escreveu que o povo português é parecido com o alemão: é gregário, colectivo, ordeiro, segue facilmente as ordens da elite. A diferença entre o alemão e o português são as respectivas elites: a elite portuguesa é desnacionalizada e corrompida, o que não se passa com a elite alemã.

O governo de Passos Coelho incentivou o povo a pedir facturas em todas as compras que faz, alegadamente para combater a fuga aos impostos. E agora dão-se casos caricatos, como por exemplo uma pessoa da classe baixa que, sempre que vai lanchar a um café, pede sistematicamente factura; e ao fim do ano o fisco investiga o tuga desgraçado, tentando saber onde é que ele foi buscar o dinheiro para pagar as despesas que fez e que foram justificadas com as respectivas facturas entregues ao fisco.


“As first reported by Forbes, the International Monetary Fund (IMF) dropped a bomb in its October Fiscal Monitor Report.  The report paints a dire picture for high-debt nations that fail to aggressively “mobilize domestic revenue,” which is code for “aggressively tax its citizens.”  It goes on to build a case for drastic measures and recommends a series of escalating income and consumption tax increases – culminating in the direct confiscation of assets”.

The IMF Proposes “Global Wealth Confiscation”. The Appropriation of Household Savings

A política de Passos Coelho e de António Costa é, e será sempre, uma obediência ao confisco do FMI, seja um confisco directo através das intervenções do FMI, seja um confisco indirecto através da União Europeia.

Quando Passos Coelho e António Costa estão a querer mexer no financiamento da SS (Segurança Social), estão a obedecer a instruções do FMI:

“IMF economists know there are not enough rich people to fund today’s governments even if 100 percent of the assets of the 1 percent were expropriated. That means that all households with positive net wealth—everyone with retirement savings or home equity—would have their assets plundered under the IMF’s formulation.”

A democracia representativa resume-se então à imagem dos quatro lobos (a plutocracia) e um cordeiro (o povo) que votam em conjunto sobre o que se vai comer ao jantar.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Política, Portugal com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s